São Paulo, terça-feira, 17 de outubro de 2017 - 19:23.

Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Dedos com visão .

Estudos tentam tornar telas sensíveis ao toque mais acessíveis para quem tem dificuldades de enxergar.

AMANDA DEMETRIO
DA REPORTAGEM LOCAL

O poder de comandar um dispositivo por meio de uma tela sensível ao toque está tão presente no mundo dos fanáticos por informática que nem sempre lembramos que essa tecnologia ainda não é acessível a todos. O Censo do IBGE de 2000 estima que mais de 16 milhões de brasileiros tenham dificuldades em enxergar.

Desse total, os totalmente cegos são os que mais perdem, já que não podem localizar em qual região da tela devem clicar para que as atividades sejam executadas. Na edição de 2009 da CES, feira de eletrônicos em Las Vegas, o cantor Stevie Wonder reclamou: "Se vocês puderem dar alguns passos à frente, poderão nos dar a excitação, o prazer e a liberdade de fazer parte disso".

Foi mais um incentivo para pesquisas que pensam como as superfícies podem interagir melhor com os deficientes visuais, sem perder o encanto.

Um dos projetos é o da equipe de Chris Harrison, estudante e pesquisador da Universidade Carnegie Mellon (EUA). O grupo tenta desenvolver uma superfície que fique entre a rigidez dos botões físicos e a flexibilidade das telas sensíveis.

"Os botões físicos proporcionam interações que dispensam a visão, mas isso limita as possibilidades de uso da tela. E a tecnologia touchscreen dá extrema flexibilidade no uso da superfície, mas não tem características táteis", explicou Harrison, em entrevista à Folha.

Ficar no meio não é nada simples. A tela foi desenvolvida com um material elástico e deformável. São várias camadas empilhadas com regiões deformáveis que, segundo ele, podem ser moldadas de diversas maneiras. E tudo isso é feito com material translúcido, o que faz com que a tela possa mostrar diferentes imagens.

Segundo Harrison, a equipe tem conversado com algumas empresas e a tecnologia está pronta -"ocorreram melhoras desde o último trabalho publicado". Veja mais em bit.ly/telasensivel Site externo..

Já no Reino Unido, na Universidade de Glasgow, pesquisadores montaram uma espécie de resposta vibratória para usuários do iPhone. Com o iphone-haptics, a ideia é que o usuário sinta uma resposta ao interagir com o telefone. Veja em bit.ly/pesquisaglasgow Site externo..

O próprio iPhone, em sua versão 3GS, tenta se adaptar e traz o VoiceOver, um leitor de telas que diz ao usuário sobre qual botão ele está colocando o dedo. Se é ali mesmo que ele precisa clicar, é só dar um segundo toque. A voz do iPhone é bastante robótica, mas se vira bem falando português -ela consegue até dar certa ênfase em algumas sílabas.

Outro programa difundido para celulares é o Talks, que funciona em alguns celulares da Nokia. "É uma ferramenta de independência, era muito ruim ter que pedir para alguém ler as mensagens de texto pra mim", diz Leonardo Gleison, técnico do Laratec (laboratório de tecnologia da Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual). O programa sai por cerca de R$ 700.

Nos testes, o programa funcionou bem. Além de ler o que está na tela, ele dá, por meio de um número, a posição do item dentro do menu. O Talks funciona com o teclado físico do celular.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo - Caderno informática.
Data: 27 de janeiro de 2010.

 

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.