São Paulo, segunda-feira, 20 de novembro de 2017 - 20:12.

Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Tania Cunha: não terminaria o curso sem que minha mãe lesse para mim.

Olá Beto,

Fiquei emocionada com a história de nossa amiga e compartilho com ela as inúmeras dificuldades que temos no acesso ao conhecimento e à aprendizagem.

Eu também fiz o curso de Direito já cega e se não fosse minha mãe a ler e gravar os livros durante os cinco anos da faculdade, realmente eu não teria condições de terminar o curso.

Também fiz duas pós-graduações nestas mesmas condições, uma em Direito do Estado e outra em Educação Especial. Igualmente para fazer o concurso público para o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Mato Grosso do Sul onde trabalho desde 1989. Dependi de minha mãe que incansavelmente gravou toda a matéria para o mencionado certame no qual obtive o terceiro lugar na lista geral.

As tecnologias trouxeram um grande avanço para nós deficientes visuais, todavia ainda estamos na dependência das outras pessoas e também de instituições que embora bem intencionadas, não atendem as nossas necessidades.

Cite-se exemplificativamente a Fundação Dorina que com o programa LIDA, atraiu para si toda a responsabilidade de resolver os problemas de leitura das pessoas cegas brasileiras. Entretanto cada pessoa tem uma realidade diferente e como no meu caso pouco tempo disponível para ler e aprender novos comandos.

O sistema LIDA nos oferece inúmeros comandos que temos que decorar além de apresentar-se numa voz difícil de entender. Também não nos proporciona a possibilidade de verificar a grafia de palavras desconhecidas e de copiar os textos dos livros para uma monografia citando logicamente a página e a autoria, fazendo com que a nossa produtividade caia em todas as áreas, em particular, a profissional e a acadêmica.

Além disso, o atendimento é precário como não poderia deixar de ser, visto que as solicitações devem ser numerosas. Não seria mais fácil as editoras disponibilizarem os livros digitais em word e os nossos programas como o Virtual ou Jaws efetuarem a leitura?

Qual a razão das editoras acharem que nós cegos não temos a responsabilidade de comprar um livro digitalizado e não repassá-lo a quem não seja cego? O fato é que as barreiras do poderio econômico mais uma vez impedem o ser humano de crescer intelectualmente e de se realizar como pessoa, desrespeitando a nossa dignidade.

A política Nacional do livro consubstanciada na lei nº 10753/2003 nos garante este acesso, falta transformar a retórica legislativa em condições de real acesso à leitura.

Avante, vamos lutar incansavelmente por nossos direitos, especialmente ao da acessibilidade à informação e ao conhecimento.

Abraços,

Autora: Tania Cunha.
Contato: tania.cunha@tre-ms.gov.br.

Leia outros depoimentos.

 

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.